sexta-feira, 8 de abril de 2011

Sobre o aniversário do meu pai


Embora eu tenha pensado este blog para reflexões sociais e políticas, para discutir temas atuais, não consigo resistir de falar do aniversário do meu pai, Dezinho, que chega agora (5 de abril), à felicidade de completar 80 anos. Tive a incumbência de selecionar algumas imagens de sua vida, para compor um slide show (agora moda nas festas). É uma tarefa difícil, sempre há o receio de deixar alguém de fora, ou de retratar mais a uns que a outros, de não ser justa na escolha. Meu consolo é que a seleção é sempre pessoal, reflete o olhar de quem faz, inevitavelmente parcial. E, assim, espero ser perdoada por minhas  eventuais lacunas e preferências. Teria sido melhor ter contado com outros parceiros nessa montagem, especialmente com meus dois irmãos, mas isso não foi possível devido aos  nossos (meus) "eternos" problemas de tempo, de agendas, etc. O meu mano mais velho mora no Rio e esteve dias atrás em Belém para a missa. Contudo, tive também uma mãozinha salvadora da minha filha.
Não é fácil escolher passagens de uma vida para apresentar em  minutos de uma festa. Mas o "critério" que orientou a seleção foi dado por uma característica própria do entrevistado. Da vida do Dezinho, como marido, pai, avô, tio, amigo, ressalta que ele soube ser uma pessoa cordial no sentido positivo do termo, uma pessoa alegre e, sobretudo, capaz de tecer muitos laços de amizade e de simpatia. Não me lembro jamais de tê-lo ouvido falar mal e alguém, ou nutrir maus sentimentos. Os problemas, as brigas que sempre há, não parecem ter deixado marcas ou mágoas continuadas. É, como se diz, uma pessoa da paz.
É claro que, conforme os próprios ciclos da vida, os contatos com os membros da grande rede que ele foi tecendo se reduziram em freqüência, por vezes em intensidade, de modo que se tornaram mais constantes com os que lhe são mais próximos. Mas suas características pessoais permanecem, por certo, no coração e na lembrança daqueles com quem ele conviveu e convive, com quem compartilhou momentos de alegria e tristeza, dividiu tempos de criação e de construção no trabalho, tempos gostosos de lazer – quando ele usava um adjetivo para as coisas boas - dizia que era “sexual!”. Aos 80, seu senso de humor permanece fino e certeiro, para alegrar quem está a sua volta.
Por isso, então, a seleção de imagens procurou registrar essa sua capacidade de criar uma rede de pessoas queridas, um privilégio! E, também, dar um especial relevo às memórias de esportista, jogador do Bancrévea, que chegou a projetar o basquete paraense no cenário nacional naqueles finais dos anos 1940. Quando, conforme palavras do próprio homenageado, ele era pivô do time com 1 metro e 70 de altura! Só sendo muito bom mesmo.
Por isso, finalmente, este momento é também uma oportunidade de agradecer a Deus por essa verdadeira graça de comemorar os 80 anos de meu pai. Essa celebração é um privilégio, reconheço. Num certo sentido, celebrar a vida, nestes tempos complicados, deve ser também uma obrigação.




5 comentários:

  1. Foi um privilégio participar dessa noite festiva, ao lado de sua família e amigos. Seu pai é muito simpático e um galanteador. Quando fui cumprimentá-lo, ele agradeceu e me pediu desculpas por não lembrar de uma "moça" tão bonita. Eu, moça? Fiquei toda faceira.
    Adorei a foto dele com o crachá do BB.
    Tem mais este detalhe: ele é um "colega" aposentado, como eu. kkkkkkkk
    beijinhos

    ResponderExcluir
  2. Acho que a faceirice é merecida. Beijinhos.

    ResponderExcluir
  3. Maria Cristina,

    Que privilégio e honra você tem.

    É muito bom, bom demais, comemorar os oitenta dos nossos "velhos".

    Comemorei com minhas 2 irmãs os 86 anos de mama no dia 06 de março último. Uma benção!

    Nosso pai se foi quando iria completar 78 anos. Lembro-o todos, senão, quase todos os dias. E já se vão 13 anos!

    Escrevi em sua homenagem um texto que pode ser lido no link abaixo:

    http://recantodasletras.uol.com.br/cronicas/1438732

    Um abração pra você.

    ResponderExcluir
  4. Cristina,
    Dá um abraço, mesmo q atrasado, no tio Dezinho.

    ResponderExcluir
  5. Que vozinho simpático, minha querida! Um sorriso cativante.
    Felicidades para ele e toda a família, sempre.

    ResponderExcluir